Vínculos de planos exclusivamente odontológicos crescem quase 10% em 12 meses

Análise do IESS revela que o avanço no período foi puxado pela contratação de ou familiares

No intervalo de 12 meses encerrados em setembro deste ano, o número de vínculos de planos exclusivamente odontológicos aumentou 9,9% e atingiu a marca de 28,8 milhões de beneficiários. É o que aponta a Nota de Acompanhamento de Beneficiários (NAB) nº 63, do Instituto de Estudos de Suplementar (IESS) – que, a partir desta edição, incluirá dados do novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). O resultado foi impulsionado, principalmente, pela contratação de planos nas modalidades individual ou familiar (+16,1%) e de coletivo empresarial (+10%).

A NAB 63 mostra, inclusive, que em setembro de 2021, do total de beneficiários de planos exclusivamente odontológicos, 82,5% possuíam um plano coletivo. Desse grupo, 87,2% eram do tipo coletivo empresarial e 12,8% do tipo coletivo por adesão. Já no recorte por faixa etária, o principal avanço entre setembro de 2020 e 2021, foi entre os beneficiários de 59 anos ou mais (+11,3%), seguido por 19 a 58 anos (+10,1%) e até 18 anos (+8,8%).

Na análise regional, o Sul do Brasil assinalou a maior variação anual na contratação de planos exclusivamente odontológicos (+19,1%), sobretudo pelos desempenhos obtidos nos estados de Santa Catarina (+33,8%) e Paraná (+19,6%). O resultado na região Norte (+12,7%) também merece destaque, já que também ficou acima da média nacional de 9,9% entre setembro de 2020 e 2021. Nesta parte do País, o principal crescimento foi em Tocantins (+39,7%).

Em números absolutos, todos os estados tiveram crescimentos de beneficiários no período analisado, sendo o maior em São Paulo com 907.332 novos vínculos e o menor em Roraima com o acréscimo de 498 beneficiários. “Os resultados demonstram que é cada vez maior o número de brasileiros que conquistam o desejo de contar com um plano exclusivamente odontológico. A NAB 63 identificou variações positivas no número de beneficiários em todos os estados do Brasil, tanto na análise trimestral quanto anual”, avalia José Cechin, superintendente executivo do IESS.

Fonte: Revista Cobertura – 29/11/2021

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *