Por uma saúde mais digital

Fonte: Exame – 15/02/2017

Para o líder global de estratégia da consultoria Accenture, o setor de poderia reduzir custos se intensificasse o compartilhamento e a análise de dados

Por Naiara Bertão

O economista americano Mark Knickrehm lidera há três anos a divisão considerada uma tropa de elite dentro da consultoria Accenture. Chefe global da área de estratégia, ele tem uma longa experiência internacional no setor de saúde. Numa recente visita a São Paulo, Knickrehm falou a EXAME sobre o atraso de hospitais e de planos de na corrida digital – e quanto isso afeta a vida de milhões de brasileiros.

1) Por que os custos com não param de crescer no Brasil?
Esse é um fenômeno global. Na última década, os custos com em todo o mundo aumentaram de 10% a 15% ao ano, o que é totalmente insustentável. A principal causa é que a medicina não está curando mais doenças. Está ajudando os pacientes crônicos a lidar melhor com a doença e a viver mais anos. Além do alto custo, muitos países enfrentam dois outros problemas: a falta de acesso das pessoas aos serviços adequados e a baixa qualidade.

2) Os avanços da não deveriam elevar a eficiência?
A existe, mas, sem a integração das informações dos pacientes, o aumento da eficiência fica limitado. Clínicas, hospitais e planos de precisam trabalhar juntos, com bancos de dados conectados virtualmente.

3) De que forma o compartilhamento das informações diminuiria os custos?
Nas filas dos prontos-socorros brasileiros, há gente que não deveria estar lá por não ter algo urgente e gente que vai refazer exames de forma desnecessária. Fora isso, médicos e enfermeiros não têm acesso a informações que esclareçam o histórico dos pacientes. Prontuários eletrônicos acessíveis em cada unidade de saúde, pública e privada, mudariam isso e certamente teriam um impacto positivo na redução dos custos do sistema como um todo.

4) O que poderia diminuir as filas nos hospitais?
Casos mais simples, como dor de ouvido, podem ser tratados em casa pelo paciente, com a supervisão virtual de médicos. Já há iniciativas assim na Espanha e nos Estados Unidos.

5) Por que a adoção dessas Inovações é lenta?
As empresas do setor de gastam muito em máquinas de diagnóstico e em novas drogas, mas pouco em captura, manutenção e análise de informações. Vou dar um dado global. Os bancos e as seguradoras gastam, em média, mais de 8% de seu faturamento com softwares de banco de dados e análise. No setor de saúde, esse percentual não passa de 3%.

6) O número de pessoas que fazem mapeamento genético tem aumentado rapidamente. De que forma Isso vai impactar os sistemas de saúde?
Ter o mapeamento genético é um importante avanço. Mas, para tirar melhor proveito das informações que ele oferece, é preciso conectá-lo a um banco de dados clínico. Com base na análise dos genes e do histórico médico, um sistema de poderá prever, por exemplo, qual a probabilidade de uma pessoa desenvolver uma doença crônica, como o câncer. E, a partir daí. definir o melhor tratamento.

7) Em quais países isso já está acontecendo?
A Inglaterra e a Islândia estão mais avançadas nessa área. A China também está dando alguns passos. No Brasil quase não há iniciativas desse tipo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *