Investigação sobre médicos do Einstein ouvirá ex-pacientes

Fonte: Folha de S. Paulo – 14/09/2016
Polícia convocará pessoas atendidas por profissionais sob suspeita para saber se houve implantes desnecessários.
Médicos negam ter havido irregularidades; apresentou denúncia após apurar elo com fornecedor.
Por Rogério Pagnan
A Polícia Civil de São Paulo vai convocar ex-pacientes do Albert Einstein que tenham sido submetidos a cirurgias cardíacas sob o comando de médicos suspeitos de ligação com empresa fornecedora de próteses.

Os investigadores querem saber se alguma dessas pessoas recebeu implante de cardíaca sem necessidade. Um grupo de médicos do IML (Instituto Médico Legal) do Estado poderá ajudar a polícia nessa apuração.

Como a Folha revelou nesta terça (13), o Einstein apresentou à polícia denúncia contra dois médicos do suspeitos de receber pagamentos e favorecer uma fornecedora de próteses.

Os médicos investigados, Marco Antonio Perin e Fábio Sandoli de Brito Júnior, comandavam até junho deste ano o Centro de Intervenção Cardiovascular do hospital –especializado em tratamento por cateterismo como angioplastia e implante de stent.

Perin foi demitido do Einstein, e Brito Júnior, afastado do comando do centro de cardiologia. Ambos negam terem cometido irregularidades.

A empresa supostamente envolvida no esquema, a CIC Cardiovascular, teve um aumento de 541% nas vendas de stents para o entre 2012 e 2013 e, desde então, teve “clara preferência” dos médicos –segundo representação do Einstein à polícia.

As suspeitas contra os cardiologistas foram levantadas por investigação interna do próprio Einstein após receber denúncias de “envolvimento espúrio” entre profissionais do com fornecedores.

Análise de e-mails corporativos dos médicos encontrou informações sobre repasses de dinheiro na conta pessoal deles de até R$ 200 mil, além de viagens e presentes.

FICHAS
De acordo com a polícia, fichas médicas de pacientes deverão ser solicitadas à direção do já nesta quarta (14), assim como outros documentos de interesse na investigação.

O número de ex-pacientes a serem ouvidos ainda não está definido porque vai depender da quantidade de intervenções realizadas pelos médicos no hospital.

Segundo informações disponíveis na plataforma Lattes (banco de dados de pesquisadores), Perin trabalhava no Einstein desde 1992; Brito Júnior, desde 1997.

A Folha apurou que uma auditoria interna por amostragem em cirurgias cardíacas feitas por esses profissionais não detectou intervenções desnecessárias. Os dados dessa auditoria, além de uma sindicância interna da instituição, também serão solicitados pelos policiais.

Os dois médicos denunciados pelo Einstein serão ouvidos nos próximos dias. Primeiro, a polícia quer entender o funcionamento do sistema de compras do hospital –se os dois cardiologistas tinham poderes para fechar contratos ou apenas faziam indicação do produto.

OUTRO LADO
O Einstein foi procurado nesta terça (13) pela Folha para comentar o assunto, mas não quis se manifestar.

Perin foi procurado novamente nesta terça, mas também não quis se pronunciar, assim como já havia ocorrido na segunda-feira (12).

De acordo com representação do Einstein, os profissionais alegam terem feito empréstimo à CIC e, nos últimos anos, estariam recebendo a devolução desse dinheiro. Assim, para eles, não haveria nenhuma irregularidade.

À Folha, em entrevista anterior, Brito Jr. disse não ter envolvimento com fornecedores. “Não tenho absolutamente nada a ver com isso. Nunca recebi nada [de fornecedor]”, afirmou.

Disse ainda que explicou ao seu posicionamento. “Continuo trabalhando no Einstein todos os dias. Fazendo angioplastia, cateterismo. Continuo normalmente trabalhando lá.”

A CIC não se manifestou.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *