Saiba quais são as vacinas disponíveis na rede pública de saúde

O Brasil possui uma das carteiras de vacinação mais completas do mundo, no entanto, a adesão à imunização está caindo

A imunização está no topo das preocupações relacionadas à saúde pública no Brasil e no mundo. No início do mês, o assunto ganhou novamente repercussão por causa da morte do neto do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, vítima da meningite meningocócica.

Também chamou atenção o alerta feito pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) sobre o crescimento global dos casos de sarampo. O Brasil, de acordo com a organização internacional, é um dos países que puxam o avanço da doença: foram 10.262 registros no ano passado.

Apesar de o Programa Nacional de Imunizações brasileiro ser bastante completo – com vacinas gratuitas disponíveis para várias doenças, a adesão vem caindo. Atualmente, entre as 11 principais vacinas do calendário, oito estão abaixo da meta de cobertura de 95% para o público-alvo.

De acordo com o Ministério da Saúde, a vacina contra a hepatite A está com a menor taxa de cobertura (74,47%), seguida da meningocócica C (78,04%) e da vacina pentavalente (78,07%). A vacina tríplice viral, que protege de sarampo, rubéola e caxumba, está com a cobertura vacinal em torno de 84%. Em 2016, quando o Brasil ganhou o selo de erradicação de sarampo, a cobertura vacinal de tríplice viral era de 95,41%.

O calendário nacional de vacinação inclui doses para todas as faixas etárias – crianças de 0 a 9 anos, adolescentes de 11 a 19 anos, adultos de 20 a 59 anos, idosos a partir de 60 anos e gestantes. A maioria das vacinas disponíveis nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) é aplicada ainda na infância.

Para o presidente da Sociedade Brasileira de Imunização (SBIM), Juarez Cunha, algumas enfermidades estão voltando por desconhecimento dos pais. “Nosso papel, como profissionais de saúde, é aprender a nos comunicar melhor com a população, mostrar que as doenças podem ser evitadas, que as vacinas são eficazes”, destaca.

O Ministério da Saúde tem pedido aos gestores locais que se empenhem na criação de estratégias para ampliar as oportunidades de vacinação, como por exemplo instituir horários alternativos de atendimento e estabelecer parcerias com creches e escolas, ambientes que potencializam a mobilização para a aplicação de vacinas.

A orientação do Ministério da Saúde é de que toda vacina seja administrada na idade recomendada. Entretanto, caso o prazo de alguma dose tenha sido perdido, basta ir à unidade de saúde para fazer a atualização.

Algumas vacinas, como a que previne o HPV, só são administradas na adolescência. Outras precisam de reforço nessa faixa-etária, como a hepatite B, duplo adulto (que é de difteria e tétano com nova dose a cada 10 anos) e a tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola).

Outros públicos
Os adultos também devem manter a caderneta de vacinação atualizada, principalmente para evitar a transmissão a pessoas não vacinadas. Os mesmos reforços destinados aos adolescentes precisam ser feitos em pessoas de 20 a 59 anos.

No caso dos idosos, algumas vacinas são consideradas mais importantes. Além dos reforços, pessoas a partir de 60 anos devem tomar a vacina pneumocócica 23 valente, que previne pneumonia, otite, meningite e outras doenças causadas pelo Pneumococo.

As grávidas também são consideradas público-alvo específico, e por isso tem atendimento especial. Nos exames de sangue de rotina, o obstetra verifica quais vacinas a mulher possui e, a partir daí, indica as doses que a gestante deve tomar.

Fonte: Metrópoles – 09/03/2019
Por Paula Filizola

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *