Como identificar e matar larvas do mosquito Aedes Aegypti

Responsável por transmitir dengue, Chikungunya, Zika e febre amarela, o inseto costuma se proliferar no verão

O verão é o período preferido de um dos maiores inimigos da população brasileira. É nessa época de calor e chuvas, os mosquitos Aedes Aegypti, responsáveis pela proliferação de doenças como dengue, Chikungunya, Zika e febre amarela, se reproduzem.

Para acabar com o mosquito, é preciso ficar de olho em áreas que podem acumular água parada — onde o inseto costuma procriar. No total, uma fêmea põe até 3 mil ovos durante seu ciclo reprodutivo.

O Aedes Aegypti é muito parecido com o pernilongo, mas possui características específicas que o difere de qualquer outro mosquito. Além das suas listras brancas e pretas, ele tem alguns hábitos específicos. Não gosta de calor e, por isso, nos horários mais quentes do dia, encontra-se escondido à sombra ou dentro de casa.

O mosquito, além de silencioso:
Costuma picar durante o dia, especialmente nas primeiras horas da manhã ou fim da tarde;
Ataca, principalmente, pernas, tornozelos ou pés, e a sua picada não costuma doer nem coçar;
Voa baixo, no máximo, até 1 metro de altura.

Recomenda-se o uso de repelentes no corpo, inseticidas na casa ou redes nas portas e janelas. Uma forma natural de afastar o mosquito é acender velas de citronela dentro de casa.

Possui as seguintes características:
Tamanho: entre 0,5 cm e 1 cm;
Cor: é preto, com riscos brancos nas patas, cabeça e corpo;
Asas: tem dois pares de asas translúcidas;
Patas: possui três pares de patas.

O Aedes leva, em média, de três a 10 dias para se desenvolver e vive aproximadamente um mês. A vida do mosquito começa na água parada, onde passa de ovo para larva e, depois, pupa. Em seguida, transforma-se em mosquito e parte para a vida terrestre, fase em que está pronto para se reproduzir.

As principais características de cada fase são:
Ovo: Pode permanecer por oito meses inativo, mesmo em local seco e no frio intenso, até encontrar as condições ideais para se transformar em larva (calor e estar coberto por água);
Larva: Vive na água, alimenta-se de protozoários, bactérias e fungos presentes no líquido. Em apenas cinco dias, vira pupa;
Pupa: Vive na água, onde continua se desenvolvendo por dois ou três dias, quando se torna mosquito adulto;
Mosquito adulto: Está pronto para voar e se reproduzir, mas, para isso, precisa se alimentar de sangue humano ou de animais.

Para combater o mosquito é importante, então, acabar com objetos (como tampas, pneus, vasos ou garrafas) que possam acumular água parada.

Por isso, é aconselhado:
Manter a caixa de água fechada com a tampa;
Limpar as calhas, removendo as folhas, galhos e outros objetos que possam impedir a passagem da água;
Não deixar acumular água da chuva sobre a laje;
Lavar semanalmente tanques utilizados para armazenar água com escova e sabão;
Manter os tonéis e barris de água bem tampados;
Encher os pratinhos dos vasos com areia;
Lavar uma vez por semana os vasos com plantas aquáticas, usando escova e sabão;
Guardar as garrafas vazias de cabeça para baixo;
Entregar os pneus velhos no serviço de limpeza urbana ou guardá-los sem água e abrigados da chuva;
Colocar o lixo em sacos fechados e tampar bem a lixeira.

Alternativas
Um larvicida natural pode auxiliar a matar o mosquito: basta misturar duas colheres de borra de café em 250 ml de água e colocar em nos pratinhos das plantas. O procedimento deve ser repetido a cada semana.

A Anvisa também aprovou o uso de um larvicida biológico, o Biovech, capaz de matar as lavas e os mosquitos da dengue em apenas 24 horas sem deixar resíduos tóxicos que possam agredir o meio ambiente.

Com informações do portal Tua Saúde.

Fonte: Metrópoles – 09/01/2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *