Abramge deseja fazer a precificação da saúde suplementar do país.

Máfia das Próteses, que ganhou repercussão em todo o país, abriu precedentes para a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Câmara dos Deputados para investigar a Máfia das Órteses e Próteses. O relatório final, do deputado André Fufuca (PEN-MA), aprovado no dia 15 de julho, sugere projetos de lei para coibir a corrupção privada.

“A partir desse relatório, estamos com dois Projetos de Lei bons e vamos trabalhar para que fiquem melhores, um deles será bom para criminalizar essa conduta e outro traz a questão da precificação. E quem irá fazer a precificação nesse país somos nós. Conversamos com os maiores players do Brasil e todos nos apoiaram em criar, aos moldes do Serasa, uma indústria que fará análise de preço, que formatará leilões eletrônicos com reversos e oferecerá o melhor preço a todas as empresas do Brasil”, enfatizou o diretor da Associação Brasileira de Medicina de Grupo (Abramge), Pedro Ramos, durante o primeiro dia do 20º Congresso Abramge e 11º Congresso Sinog, que aconteceu nos dias 27 e 28 de agosto, em São Paulo.

Ramos ainda ressaltou que somente empresas dentro das regras de conduta e atuação poderão participar desse grupo. “Dentro desse escopo só poderá participar quem estiver dentro das nossas regras de compliance, por isso, só haverá distribuidor sério que não pague propina para médico, hospital que não ganhe 30% de desconto na fatura e nem repassa ao cliente. Essa será a maior central, uma bolsa de valores, nosso sistema formará o maior conjunto de compra. Isso irá beneficiar a todos”.

Fonte: Revista Cobertura Mercado de Seguros

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *