Mais peixe e menos carne podem colaborar para menor atrofia cerebral em idosos.

Comer mais peixe e menos carne pode colaborar para idosos tenham menor atrofia cerebral.  Essa é a conclusão de um trabalho publicado pelo periódico Neurology. O objetivo do estudo foi determinar se a maior adesão a uma dieta do tipo mediterrâneo (MeDi) está relacionada ao maior volume cerebral ou espessura cortical medido por ressonância nuclear magnética (RNM).

No estudo, a ressonância magnética de alta resolução foi realizada em 674 idosos (idade média de 80,1 anos) sem demência que participaram de uma coorte multiétnica de base comunitária. Informações dietéticas foram coletadas por meio de um questionário de frequência alimentar. O volume total do cérebro (TBV), volume total de massa cinzenta (TGMV), volume total de substância branca (TWMV), média de espessura cortical (MCT) e volume regional ou espessura cortical foram derivados de ressonância magnética usando o programa FreeSurfer. Foi examinada a associação da MeDi (pontuada como 0 a 9) e de grupos alimentares individuais com o volume e espessura cerebrais usando modelos de regressão ajustados para idade, sexo, etnia, educação, índice de massa corporal, e cognição.

Em comparação com uma menor adesão à MeDi (0-4), a aderência mais elevada (5-9) foi associada com 13,11 (p=0,007), 5,00 (p=0,05) e 6,41 (p=0,05) mililitros maiores de TBV, TGMV e TWMV, respectivamente. A maior ingestão de peixes e menor de carne estiveram associadas com maior TGMV. O menor consumo de carne também foi associado ao maior TBV.

Entre os idosos estudados, a maior adesão à MeDi foi associada à menor atrofia do cérebro, com efeito semelhante ao de cinco anos de envelhecimento. A maior ingestão de peixes e a menor ingestão de carne podem ser os dois elementos-chave da alimentação que contribuem para os benefícios da MeDi na estrutura do cérebro.

Fonte: Jornal Odonto – 05/11/2015

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *