EUA: Mais de 90% da população tem seguro de saúde.

O número de norte-americanos sem seguro de saúde é inferior a 10%, o que nunca tinha acontecido desde que existe este indicador. Os resultados apresentados pelo Centro Nacional de Estatísticas da Saúde, dos EUA, refletem já a adoção do programa .

Barack Obama tem razões para estar feliz. A percentagem de norte-americanos sem seguro de saúde é inferior a 10% pela primeira vez nos mais de 50 anos de existência deste indicador dos EUA, divulgado esta quarta-feira, 12 de Agosto, no mais recente relatório do Centro Nacional de Estatísticas da Saúde.

Desde 2012 que o número de norte-americanos com seguro de saúde estava a aumentar, mas é entre o último ano e 2015 que a diferença é mais significativa, atingindo agora 90,8%.

Entre 2012 e 2014, a percentagem da população sem seguro de saúde rondava os 15%, tendo caído para a casa dos 13% no ano passado. Nos últimos cinco anos, a descida foi de cerca de 7%. Destes, quase 4% caíram no último ano, para um nível histórico de 9,2%.

Se compararmos os dados desde 2013, existem mais 16 milhões de americanos com seguros de saúde. Os fatores de impulso desta descida estão diretamente relacionados com a implementação do famoso (e polémico) programa ObamaCare, que prevê que quem tem seguro de saúde através de uma empresa pague menos por alguns serviços (uma vez que pode usufruir de vantagens fiscais) e tenha alguns exames de rotina disponíveis gratuitamente. Este programa é suportado por impostos cobrados de forma diferenciada a famílias e empresas.

As expectativas são que o número de norte-americanos sem seguro de saúde continue a diminuir, uma vez que o número de pessoas a aderir ao programa ObamaCare, conhecido também como Affordable Care Act, tem vindo a aumentar. Os resultados do relatório citado pela Forbes baseiam-se nos números recolhidos entre Janeiro e Março de 2015.

Nos Estados que optaram por não expandir o programa Medicare ou Medicaid [programas federais anteriores ao ObamaCare que fornecem seguros de saúde e que são dirigidos, respectivamente, à população idosa ou incapacitada e às famílias desfavorecidas cujos rendimentos se situem no limiar da pobreza], cerca de 23% dos residentes com idade inferior a 65 anos estavam sem seguro de saúde em 2013, um número que caiu para 17% em 2015. Já os Estados que expandiram o programa viram o número de pessoas sem seguro de saúde diminuir de 18,5% para 10,5% nos últimos dois anos.

No entanto, também existem números preocupantes. De entre os 9,2% de americanos sem seguro de saúde, 28% está no escalão dos “pobres”, 24% no escalão dos “quase-pobres” e 7,5% na categoria dos que “não são pobres”.

O relatório aponta ainda que também cada vez mais pessoas têm aderido a seguros de saúde privados.

Fonte: Jornal Negócios

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *